O período de verão, que coincide com as férias escolares, leva muitas famílias para o Litoral e para locais em que é possível se refrescar em águas de rios e cachoeiras - como as prainhas no Interior. Para que a diversão e o lazer sejam curtidos com segurança, é importante tomar uma série de pequenos cuidados. O Corpo de Bombeiros Militar do Paraná (CBMPR) separou sete dicas para quem quer aproveitar o verão sem sustos.

Atenção para as bandeiras

A principal dica para quem vai para o Litoral é escolher bem o local de banho e seguir as sinalizações. “Se for entrar no mar, nade sempre entre as bandeiras de cor vermelho sobre amarelo [bandeira bicolor]. Elas indicam a presença de guarda-vidas naquela área. E fique atento à bandeira de condições do mar presente na frente do posto de guarda-vidas, podendo ser verde, amarela ou vermelha, conforme o risco daquele local”, explica a capitã Débora Kolossoskei, responsável pela Comunicação do Corpo de Bombeiros no Litoral no Verão Maior Paraná.

Os trechos com postos de guarda-vidas permanentes ficam em um espaço de cerca de 250 metros, entre duas bandeiras bicolores (vermelhas e amarelas). Dentro dessa área são colocadas bandeiras que indicam como está a situação do mar naquele momento: verde, para baixo risco de afogamento; amarela, com médio risco, exigindo mais cuidado do banhista; e vermelha, com alto risco de afogamento. É fundamental estar de olho nessas indicações.

Se visualizar uma bandeira preta, não entre no mar. Elas significam que não há guarda-vidas fixo por ali – em consequência, o atendimento em caso de incidentes na água pode demorar mais para chegar, colocando a vida do veranista em risco. Já um mastro com duas bandeiras vermelhas indica que a praia está interditada, não devendo ninguém permanecer ali, inclusive os guarda-vidas.

Outra consideração importante é sempre seguir as orientações dos guarda-vidas e procurá-los sempre em caso de dúvidas ou de emergências na praia.



Evite beber antes de ir para a água

Para muita gente, as férias combinam muito com uma cervejinha, uma caipirinha ou alguma outra bebida alcoólica para relaxar. Mas é preciso ter cuidado. Ambientes aquáticos e álcool são sempre uma mistura perigosa. “Se for entrar na água, seja no mar, piscina ou rio, não consuma bebida alcoólica. O álcool pode prejudicar a sua coordenação motora no caso de necessidade de autossalvamento ou de socorro de outra pessoa”, orienta a capitã Kolossoskei.

Água só até o umbigo

O mar pode ser um local muito agradável, ótimo para amenizar as altas temperaturas, dar aquela refrescada, e garantir momentos de diversão e relaxamento, seja sozinho ou com amigos e familiares. No entanto, é preciso sempre ter em mente que há muitos fatores que podem colocar as pessoas em dificuldades, como alteração do terreno, com abertura de buracos; a presença de correntes marítimas que podem puxar o indivíduo, impedindo que este retorne para o raso; ocorrência de redemoinhos, que também puxam os veranistas para o fundo, entre outras situações. Por isso, o recado é não exagerar na empolgação e na autoconfiança e saber até qual profundidade entrar no mar.

“Respeite as condições do mar e as suas limitações. Lembre sempre daquela máxima: água no umbigo, sinal de perigo”, resume a capitã, apontando o limite ideal para quem vai para o mar.

Beba muita água

O sol faz a alegria dos banhistas, mas também exige cuidados especiais. Com temperaturas elevadas e dias muito agitados, dentro e fora da água, um erro comum é esquecer de beber água. Nesse cenário de calor intenso, o corpo precisa de muita hidratação. Caso contrário, é possível encarar sintomas como fraqueza, sonolência, mal-estar, dor de cabeça e até desmaios.

“As ondas de calor têm sido muito fortes e trazido altas temperaturas no Paraná. Então, não esqueça de se hidratar, passar protetor solar e calçar chinelos quando for visitar a praia para evitar queimaduras na sola dos pés”, lembra a capitã do Corpo de Bombeiros.


Olho nas crianças

Uma questão muito importante para as famílias com crianças é manter-se sempre atento à localização da garotada. Como os pequenos não têm noção espacial do ambiente, eles se perdem com facilidade. Não é incomum, ao se afastarem dos familiares, caminharem longas distâncias em busca dos pais. O Governo do Estado distribui gratuitamente pulseirinhas para ajudar os turistas nessa época do ano.

“As crianças devem estar a no máximo um braço de distância de seus responsáveis, seja na água ou na areia, para evitar que se afoguem ou que se percam de seus pais. É importante colocar a pulseirinha de identificação, que estão disponíveis nos postos de guarda-vidas”, reforça a capitã.