vigilante que matou um caminhoneiro na BR-116, em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), alegou legítima defesa em depoimento na delegacia. O caso aconteceu na tarde desta quarta-feira (4).

Momentos após o vigilante atirar no caminhoneiro, testemunhas se revoltaram e discutiram com o homem. Durante a confusão, o autor do crime relatou que também é pai de família:

“Eu sou pai de família também […] ele jogou o caminhão em cima de mim”, disse

O vigilante, assumiu ter matado o caminhoneiro após uma briga de trânsito. Ele estava a serviço de uma escolta privada.


Depois do crime, ele foi levado à cadeia pública de Campina Grande do Sul na noite desta quarta-feira. O vigilante saiu da Delegacia do Alto Maracanã e, em seguida, foi encaminhado para o presídio.

Segundo a advogada, o vigilante tem 43 anos, é casado, tem dois filhos e não tem histórico criminal. Ele alegou legítima defesa no depoimento, ou seja, afirmou que teria atirado no caminhoneiro para se defender.


Fonte: Massa News